domingo, 4 de outubro de 2015

Pequenas alegrias

Pequenas alegrias

Saudações, criaturas mágicas! 
      Após um tempo ausente, finalmente encontro tempo e inspiração para escrever. As últimas semanas foram tão cansativas e estressantes, por conta de um projeto que a minha equipe precisa entregar, que as únicas atividades que eu realizava eram praticamente: ir trabalhar e ir dormir. No final, fiquei muito contente com o desempenho de todo mundo da equipe e acho que arrasamos tanto no desenvolvimento do projeto quanto no exercício de saber trabalhar em grupo, tive apenas um pequeno desentendimento com uma amiga muito querida e já estou pulando de alegria por termos resolvido nossas diferenças - somos duas teimosas, então já viu. 
      É claro que, por mais tempo que eu precisasse dedicar ao trabalho, não deixei de comparecer a uma aula de dança. É muito difícil descrever como eu me sinto quando estou dançando, mesmo que ainda não tenha vencido a timidez. Não sei direito quando e como começou minha paixão pela dança do ventre, lembro apenas de ser muito pequena e quando tocava uma música árabe ninguém me segurava! Minha família também sempre admirou a dança e quando minha vó me deu um CD do Tarkan, foi só alegria. E após anos sonhando em me tornar bailarina, finalmente coloco esse sonho em prática, e agora duas vezes por semana.
      Já estou ensaiando para a apresentação de final de ano. Em uma turma, dançaremos com taças e véu e a outra será uma dança com jarro - que é pesadinho, diga-se de passagem. A última vez em que me apresentei, em junho, chorei antes de depois da apresentação - nessa época eu ainda fazia apenas uma aula por semana - e fiquei com vontade de quero mais. Agora terei a oportunidade de subir ao palco duas vezes, apesar de estar super nervosa em dançar com as taças já que uma vela fica acesa dentro dela e temos de tomar muito cuidado para não nos queimarmos ou queimar as amigas. 
      Por falar em amigas, preciso dizer que os Deuses colocaram essas pessoas na minha vida no momento certo. São pessoas maravilhosas, de coração bom e energia muito boa também. Elas não estão lá para julgar, brigar ou competir. Felizmente, todas nos damos bem - apesar de alguns problemas no início do ano - e somos muito unidas, sempre tentamos entender o lado da outra e ajudar quem precisa sempre que possível. Eu não sei nem como agradecê-las por todo esse carinho com que fui recebida.
      Ontem fui à Mongaguá com minhas amigas de dança, assistir ao show de Tony Mouzaeyk onde algumas bailarinas se apresentariam e entre elas estava minha linda professora Jannah El Havanery. Gente, essa mulher dança como uma fada! Eu sou apaixonada pela energia que ela transmite, pela paixão que ela passa no olhar e pela humildade com que ela trata todos à sua volta. Ela tem uma personalidade muito forte, um pouco expansiva, mas eu não poderia ter professora melhor. Fiquei muito feliz com o sorriso dela ao nos encontrar após o show e em como ela veio abraçar cada uma, sem dúvidas ela é minha maior inspiração na dança do ventre. Esse passeio foi ótimo para tirar um pouco o foco do trabalho.
      Hoje dormi até não poder mais, reservei um tempo para cuidar de mim, joguei Age Of Empires com o pessoal do trabalho e acho que terminarei o dia lendo "Wicca: A Religião da Deusa" de autoria de Claudiney Pietro. Espero que essa semana que está por vir seja mais amena para que me sobre energia para escrever, já tenho vários posts programados e quero logo compartilhá-los com vocês, e para terminar de ajustar o novo layout do Avalon Poetry (está cansativo, mas vou conseguir). Boa noite e abençoados sejam! :)

Jannah El Havanery - Foto por Cris Calabrez