domingo, 13 de agosto de 2017

Adeus

Essa carta é para você. 

Um dia acreditei nas suas palavras, mesmo suas ações demonstrando o contrário. Por 8 anos te escolhi todos os dias como o homem da minha vida. Uma pena que aos 15 anos eu ainda acreditava no amor dos contos de fadas e acreditei que comigo tudo seria diferente... Que você realmente me amava. Meu primeiro amor, meu primeiro beijo... Nunca imaginei que eu pudesse me entregar para alguém da forma que me entreguei a você. Imaginei você ao meu lado até o final de nossos dias, imaginei você chorando com o nascimento dos nossos filhos. Sonhei tanto com a família que iríamos construir que parecia tão real e eu acordava chorando de felicidade.

Às vezes me sinto arrependida de ter permitido que você entrasse na minha vida. Mas o arrependimento não muda o passado e muito menos apaga as memórias dolorosas que você deixou. Você cobrava de mim coisas que você mesmo não dava. Apesar de tudo o que você me fez, eu ainda acreditei que havia encontrado um amigo e um amante para o resto da minha vida.

Eu também errei. Desculpa se eu não externava tanto o homem maravilhoso que eu achava que você era, desculpa se eu não fui no show do Avantasia com você, desculpa se eu não fui tão carinhosa. 

Você tinha razão: nós não somos parecidos. Essa era coisa que mais te incomodava e a que mais me magoava quando você fazia questão de ressaltá-la. Eu não enxergava essa diferença naquela época, mas hoje eu vejo que você estava certo. Eu jamais trairia alguém ou mentiria para a pessoa que amo. Eu jamais falaria para uma pessoa que a amo enquanto estou com outra (como você me disse quando estava com sua ex e sua atual). 

Eu esperava que um dia você fosse aparecer aqui para pedir perdão pra mim e minha família (para quem você não teve vergonha alguma em mentir). Eu esperava que um dia você realmente parasse de machucar as pessoas de propósito. Eu esperava que um dia você realmente se tornasse uma boa pessoa. Eu esperava que um dia você percebesse que sou eu a pessoa que você ama. 

Infelizmente, a ficha caiu. E somente as suas atitudes é que foram removendo a venda que estava em meus olhos. Eu não entendia como você pode ser assim, mas descobri que a família, que eu havia considerado como minha, também é cúmplice. Hoje eu não espero mais nada de você. Já sei quem você é e fico muito triste com o caminho que você escolheu, mas a escolha pertence a cada um. 

Eu agradeço por você não fazer mais parte da minha vida. Como eu poderia ser feliz com alguém que me falava que mais ninguém me amaria? Que eu deveria agradecer por estar comigo? Que mentia? Que me traía? Que me obrigava a fazer coisas que eu não queria? Que me escondia dos amigos? Que me afastou dos meus amigos? Que me fez chorar muito mais do que sorrir durante todo o tempo que ficamos juntos? Agradeço também por você ter me mostrado o "amor" que eu não mereço. 

Estou finalmente dizendo adeus às correntes que me prendem. Eu te perdôo. Do fundo do meu coração, eu te perdôo.

Adeus

Para sempre.

domingo, 20 de março de 2016

Desamparada

Desamparada

     Não sei como começar. Na verdade, ao começar a digitar as primeiras palavras a vontade passa. Esse sentimento não é exclusivo do blog, também fico dessa forma ao tentar fazer outras coisas que me agradam. É como se eu estivesse me sabotando, como se não fazer uma atividade que me dá prazer iria deixar mais suportável o sentimento de frustração e tristeza quando não pudesse realizá-la. É, talvez seja isso. Eu já percebi esse comportamento quando fui obrigada a cursar algo que eu detesto e para não sofrer muito eu me afastei de quase tudo referente à História. Que idiotice. É só o pensamento começar a surgir, ou pegar até mesmo o finalzinho de um documentário que a paixão se faz sentir mais forte. É Flávia, não adianta tentar se enganar até porque não adiantou nada, não foi? Mas agora como faço pra parar esse auto-bloqueio?
     Tenho caído numa armadilha muito perigosa: meus dias da semana tem sido de muito trabalho e quando chego em casa, a única coisa que faço é dormir. É um ciclo vicioso, improdutivo e infeliz. Para piorar as coisas ainda mais, descobri que no meu trabalho existe aquela 'clássica' diferença salarial entre homens e mulheres. Que o meu chefe tem uma preferência escancarada pelos meninos isso nós sabemos, como ele também não faz nenhuma questão de esconder. Entretanto, senti-me apunhalada. Eu pensava que esse tipo de situação quase não existisse mais e quem alguns babacas ainda tentavam mantê-las, mas que seria apenas uma questão de tempo até eles perceberem que teriam que ceder. Não sei nem como descrever como sinto quanto a isso, não tenho vontade de levantar da cama para trabalhar, fiquei explosiva e meu rendimento caiu muito. Porra! Somos todos registrados no mesmo cargo/nível e por que ganho menos? Aliás, vale comentar aqui que eu faço muitas outras coisas que não são de competência dos meninos - meninos, porque parece que não cresceram ainda e tenho que agir como a mãe chata- como entrevistar candidatos, fazer compras, tomar conta da 'turma do barulho' e, claro, fazer o que fui contratada para fazer: programar. Eu não quero ganhar mais, eu quero igualdade de salários. Com o país em crise e o número de desempregados só aumentando, eu não posso arriscar perder esse emprego e também não está nada fácil arranjar outro emprego - atenção: essa estória de vaga de 50mil é com 'e' mesmo. O que mais doeu é que eu confiava no meu chefe e sou muito agradecida pela oportunidade que ele me deu (fui escolhida para estagiar mesmo sem saber absolutamente nada e tendo candidatos com conhecimentos avançados concorrendo a vaga. Após 2 anos, fui efetivada ano passado). Eu não consigo descrever o quão decepcionada eu estou.
     No entanto, essas coisas ainda não me impediram de viver. Estou ensaiando muito para o meu primeiro solo, em maio. Que vergonha! Morro só de pensar em todo mundo me olhando. Porém, sei que tenho que enfrentar esse medo já que eu quero me apresentar mais vezes (louca, não?). Enfrentei uma pequena saga para conseguir mandar fazer a roupa que desenhei. Preciso fazer um curso de corte e costura, depender dos outros é um saco.
     E falando de coisa boa, voltei a desenhar. Tinha até esquecido como era bom. Estou desenhando uma elfa trovadora (Bardo). Estou curtindo muito desenhá-la e estou medo de estragar tudo ao colorir, mas precisa ser já que esse bardo é muito colorido. Aliás, é inspirado no bardo do universo de Forsaken.
     Me sinto mais leve após esse post, talvez eu estivesse precisando extravasar um pouco... Espero retornar em breve e, quem sabe, finalmente colocar alguns projetos pro blog em prática. Ah! Tentarei arranjar tempo para começar o novo layout, que um amigo ficou de fazer para mim mas agora ele está sem tempo.

Feliz Mabon!

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

A Roda do Ano

A Roda do Ano

A roda do ano é o calendário dos pagãos, que enxergam o tempo de forma cíclica. Esse calendário leva não só em consideração o ciclo solar como também o lunar. Os Sabaths (festivais solares) e Esbats (celebrações lunares) são comemorados em honra aos Deuses, geralmente a Deusa Mãe e o Gamo Rei mas os Deuses cultuados dependem muito de cada segmento, e celebram a Natureza. Na Wicca, a Roda do Ano possui dois significados: A Roda da Celebração da Natureza e A Roda da Iniciação. Sendo a roda iniciática uma forma de aprender com os Antigos através das estações, já que os Deuses e a Natureza são apenas um.

Esbaths - são celebrações lunares mensais que celebram a Deusa em suas três faces: Donzela (lua crescente), Mãe (lua cheia) e Anciã (lua minguante).

Sabaths - são os 8 grandes festivais que acontecem anualmente celebrando nascimento, maturidade, morte e renascimento do Deus e sua relação com a Deusa. 4 desses festivais são celebrados de acordo com as estações do ano e os outros são em honra aos espíritos da Natureza e antepassados agradecendo e pedindo bençãos aos Deuses. Abaixo a data de celebração de cada um:


Esses festivais são muito importantes, pois um Bruxo não deve apenas observar a Natureza mas também devemos sentir seu fluxo e participar toda e qualquer mudança. No entanto, há 3 formas de celebrar os Sabaths:

1) Seguir a Roda do Ano pelo hemisfério norte

2) Seguir a Roda do Ano pelo hemisfério Sul

3) Seguir a Roda do Ano de forma híbrida: os sabaths que celebram as mudanças das estações são comemorados de acordo com o calendário do hemisfério sul e os grandes sabaths são celebrados de acordo com o calendário do hemisfério norte

Eu, particularmente, rodo pela forma híbrida mas a escolha é muito pessoal e deve ser como a pessoa mais se identificar. Quando estiver próximo das datas, trarei mais informações de cada Sabath e um jeito de celebrá-lo. E lembre-se: a celebração da vida, da natureza e a conexão com os Deuses é a essência da Wicca! ;)


quinta-feira, 31 de dezembro de 2015

Mais um ciclo se encerra

Mais um ciclo se encerra

     Enfim, o ano de 2015 se encerra. Um ano, particularmente, carregado de energias ruins e decepções. Mas nada disso me abaterá e entrarei firme em 2016 com novos planos, objetivos e sonhos e quem sabe até com um template novo - nesse novo ciclo ninguém vai me segurar!
     Sei que já havia comentado que iria logo trocá-lo, mas tive muita dificuldade com esse novo modelo do Blogger. Entretanto, comecei a desenvolver projetos web no trabalho e acredito que agora tudo irá ficar mais fácil.
     Aproveito essa transição de ciclos para limpar meu quarto renovando a energia e também para doar tudo o que não quero mais e que tenho certeza que alguém está precisando - nem ousem doar coisas rasgadas/quebradas. Também gosto muito de tomar banho com ervas mentalizando toda a energia negativa indo embora, esse ano irei utilizar somente arruda mas vai da intuição de cada um.
     Agradeço às minhas amigas por terem surgido na minha vida quando eu mais precisava e que me ajudaram muito a superar alguns problemas, a todos que visitam o blog por reservarem uns minutinhos do seu tempo para ler as linhas que escrevo. E um agradecimento muito especial aos meus bebês Athena e Freya por fazerem meus dias mais felizes.
     Desejo a todos um maravilhoso novo ciclo, cheio de energias positivas e realizações. Esse ano é nosso! \m/

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Dança sagrada de Ísis

Dança sagrada de Ísis

Boa tarde, seres encantados!
Estive muito ausente do blog por conta de meus dias estarem cheios de coisas a serem feitas. Após alguns meses de muito trabalho, muito estudo e pouco tempo para atividades de lazer estou finalmente me formando e de férias - que apesar de serem só 10 dias, estão sendo muito bem-vindos!
Ontem ocorreu o espetáculo de final de ano do Studio Osíris, onde faço aula de dança do ventre, e foi s-e-n-s-a-c-i-o-n-a-l. Participei de duas coreografias e pensei que seria tão difícil quando foi minha primeira apresentação (em junho desse ano), mas acabei surpreendida por mesmo estando um pouco tímida acabei conseguindo aproveitar cada momento no palco e fiquei mais feliz ainda por dessa vez não ter feito cada de "bunda" ou de "me tirem daqui". Claro que, antes de entrarmos o palco, ficamos todas à expectativa de como seria e como iríamos reagir a dançar na frente de quase 500 pessoas. No final, tudo deu certo, recebemos muitos aplausos e vários elogios das nossas professoras - que diga-se de passagem são as melhores! As coreografias em que dancei foram:

Jarro: dança folclórica também conhecida como Dança do Nilo e Raks Al Balaas, surgiu entre os Beduínos para reverenciar a importância da água que representa a vida numa terra em que era escassa. Considerada sagrada, era obtida pelas mulheres que a buscavam com os jarros após as cheias do Nilo. É uma dança alegre com trajes coloridos e que celebra a vida e a água sagrada.

Minha linda turma de Dança com Jarro

Taças: não se sabe sua origem ao certo, mas acredita que seja uma versão ocidental da dança com candelabro. Dançada em casamentos, aniversários e batizados com o significado de iluminar o caminho do(s) homenageado(s). Duas taças com com velas acesas são usadas para iluminar a parte do corpo desejada e é uma dança de mistérios, sensualidade e movimentos lentos. Após essa dança, deixamos as taças de lados e dançamos com véu.

Minha linda turma de Dança com taças e véu

Não tenho palavras para conseguir descrever a montanha-russa de emoções que senti ontem. Eu só agradeço à todas as minhas amigas, professoras e todos que foram me assistir por serem tão demais e vibrarem com tanta energia positiva.
Vou aproveitar esses dias livres para colocar alguns projetos em ação, incluindo algumas postagens que queria ter feito já há algum tempo, terminar de ler os livros que me aguardam e, claro, jogar Age of Empires II e zerar The Legend of Zelda: Marjora's Mask.
Desejo a todos um feliz Yule, para os que rodam pelo hemisfério norte, e um feliz Litha, para os que rodam pelo hemisfério sul. Logo estarei de volta :)